[Albergue Espanhol]


«Portugal: questão que eu tenho comigo mesmo (...), feira cabisbaixa, meu remorso, meu remorso de todos nós...» {Alexandre O'Neill}

sábado, abril 22

FC Porto

Grande vantagem da noite: terminou o mandato do Benfica como campeão.

||||| Escrito por dm :: 11:25 da tarde :: 1 Comentários




quarta-feira, abril 19

Chico 3 já cá canta

Mão verdadeiramente amiga fez-me chegar a terceira caixa da notável colecção de DVD's de Chico Buarque, acabadinha de sair no Brasil (as duas primeiras - um total de seis DVD's- já estão à venda em Portugal). Chico 3 inclui «Uma palavra», «O futebol« e «Romance». Um bom programa para o próximo fim-de-semana. Água na boca.

||||| Escrito por dm :: 11:43 da tarde :: 0 Comentários




Por debaixo dos panos

O Casino de Lisboa é a obra que a gestão PSD da Câmara de Lisboa pode exibir, depois de quase cinco anos no poder. Mais nenhuma, para já, ainda nem o túnel do Marquês (que deverá ser a segunda obra). Zero. Tirando uns cartazes gigantescos a anunciar que «aqui [ali]» vai nascer esta ou aquele obra. Mas Manuel Maria Carrilho, oh horror dos horrores!, se calhar tinha razão: por trás dos cartazes, nicles, rien, nada.

||||| Escrito por dm :: 11:32 da tarde :: 0 Comentários




A festa

O Casino de Lisboa abriu. Uma festa de arromba, com directos em todas as televisões e telefonias. Contam-nos de uma sessão fantástica de fogo de artifício. Talvez uma das canas da festa tenha caído no Parque Mayer. Foi tudo em nome dele, recordam-se?

||||| Escrito por dm :: 11:28 da tarde :: 0 Comentários




segunda-feira, abril 17

Regressar

Fim. Das férias (incluindo uma romagem de agradecimento a Barcelona...).

||||| Escrito por dm :: 11:03 da manhã :: 0 Comentários




quinta-feira, abril 6

Hehehehe!

Visca Barça! E obrigado.

||||| Escrito por dm :: 12:25 da tarde :: 1 Comentários




quarta-feira, abril 5

Atlântico (V e conclusão)

Não perdi muito com a troca, mas prefiro a MAD. É mais liberal.

||||| Escrito por dm :: 2:54 da tarde :: 0 Comentários




Atlântico (4)

Para não dizer que há má-vontade: concordo com Manuel Falcão no seu texto sobre a TSF (pág. 50).
Vou mesmo mais longe: está uma merda aquela rádio, Fernando Alves aparte. Basta comparar com a informação da Antena 1 ou da Rádio Renascença, por exemplo.

||||| Escrito por dm :: 12:36 da tarde :: 0 Comentários




Atlântico (3)

Mas a direita liberal portuguesa é muito sui-generis. A chinela escorrega-lhes sempre do pé. P'rá direita, claro.
Na página 12 da Atlântico de Abril, um dos sacerdotes da causa, saído da catacumbas da Faculdade de Economia da Universidade Nova (de onde mais podia sair?), Luciano Amaral lança um violento arrazoado sobre o «liberalismo» de Hollywood, que se dedica a fazer filmes sobre cowboys e escritores gay (Brokeback Mountain e Capote), ou sobre o McCarthismo e o racismo, em vez de se dedicar a temas tão interessantes como o Gulag ou os milhares de mortos da responsabilidade de Che Guevara. «Haveria tantos temas dignos de atenção, mas a que a "comunidade" (como ela gosta de se designar) não liga nada», queixa-se, com justiça, o pobre Luciano.
Então, sobre o McCarthismo é que ele já não suporta, tanto mais, explica lucidamente Amaral, que, «hoje, sabe-se que todos os que foram denunciados por McCarthy enquanto espiões da URSS eram efectivos espiões da URSS». O que faz de Good Night, and Good Luck, de George Clooney, «talvez, o filme mais desonesto de todos os apresentados». Luciano dixit.
Mandasse Luciano Amaral, um liberal de gema, e tudo seria diferente. Ai isso seria! Porque «a estupidez dos activistas de Beverly Hills não carece de confirmação. Mas o que dizer daqueles, como, como nós, que tão pacientemente os aturam?» Sim, o que dizer?

||||| Escrito por dm :: 12:15 da tarde :: 0 Comentários




Atlântico (2)

Mas a Atlântico também tem espaço para o liberalismo conservador, versão camionista. Trata-se de uma banda desenhada de fino gosto, muito próprio da direita liberal portuguesa, intitulada «O Sócrates». Fantástico o gosto que a prancha revela.
Só vos digo: se o critério de gosto fosse o mesmo, ainda bem que a BD não se chama «O Portas»! Podia ser um escândalo!

||||| Escrito por dm :: 12:00 da tarde :: 0 Comentários




Atlântico (1)

Não foi uma decisão fácil, mas este mês em vez de comprar a MAD, optei por adquirir a Atlântico. Não fiquei nada a perder, começo por dizer. O liberalismo de Direita tem muita graça.
Aquilo começa com um editorial, na página 2 (página 2 que corresponde ao que na imprensa tradicional, dominada pela esquerda caquética, seria a página 4, em mais uma prova da capacidade de inovar dos liberais conservadores portugueses), a atacar esse velho comunista chamado José Pacheco Pereira por ter tido o atrevimento de dizer que a Atlântico fazia parte do exército de Paulo Portas. O director explica que isso não passa de uma vil mentira. Pior: dor de cotovelo. No fundo, explica PPM, Pacheco Pereira treme de medo «de ver aquele que considerava ser o seu espaço privado de comentário ocupado e disputado por uma nova geração»! He, he,he! E PPM (Paulo Pinto Mascarenhas) anuncia a nova que fará tremer todas as Marmeleiras deste mundo: «O estranho mundo do dr. Pacheco tem os dias contados». Não faz a coisa por menos, o homem. Pimba! Cuidado, José.
Na página 4, duas páginas a seguir, nas «Notas dispersas», desmentindo as viperinas teses do homem cujo estranho mundo tem os dias contados, pode ler-se: «Muito interessante foi o regresso de Paulo Portas à vida política activa, com o seu programa O Estado da Arte, na SIC/Notícias». Desde logo, «o ex-ministro da Defesa, que também mostrou vastos conhecimentos cinéfilos e de política internacional (...) é já o candidato número um a receber o prémio de liberal conservador do ano».
É um mimo esta Atlântico.

||||| Escrito por dm :: 11:46 da manhã :: 0 Comentários




terça-feira, abril 4

Um português

Sou português e tenho muito orgulho disso.
Comovo-me cada vez que ouço A Portuguesa.
Adoro bacalhau, cozido à portuguesa, peixinhos da horta e passarinhos fritos.
Tudo isso e mais alguma coisa.
Mas amanhã quero (mesmo muito) que o Barcelona ganhe ao Benfica.
Gosto muito da Catalunha, de Barcelona, do Barça. Gosto mais da Catalunha do que do Benfica (o que não quer dizer muito, porque gosto mais de quase tudo do que do Benfica).
O meu patriotismo, que não permito que ninguém ponha em causa, não se mede aos futebóis.
Nota: Este post só é escrito porque ouvi ontem o jornalista David Borges dizer, na SIC Notícias, dirigindo-se a um cidadão, adepto de um outro clube que não o Benfica, que este, «como português», ia apoiar, «naturalmente», o Benfica.
Eu, amanhã, torço, «naturalmente», pelo Barcelona. Tão «português» e tão «naturalmente» como qualquer outra pessoa que apoie o Benfica. E era o que faltava que qualquer teste ao portuguesismo de alguém passasse por um jogo de futebol!

||||| Escrito por dm :: 3:19 da tarde :: 0 Comentários




Pimba

É só impressão minha ou o presidente do Benfica está cada vez mais parecido com o Quim Barreiros?

||||| Escrito por dm :: 3:17 da tarde :: 0 Comentários




Alcoolemia

A reacção dos produtores de vinho à simples sugestão de se poder vir a mexer na taxa de alcoolemia prevista no Código da Estrada revela um lóbi bem organizado. O argumento mais extraordinário é o de o vinho não ter influência no grau de alcoolismo dos condutores portugueses, mas sim as bebidas brancas e espirituosas. Ora, se é assim, como lembrava ontem Ferreira Fernandes na sua coluna do Correio da Manhã, porque é que os produtores de vinho se incomodam tanto com a ideia?

PS (1)- Hoje, o DN publica um artigo intitulado «Deputados do PS contra redução da taxa de alcoolemia», com base em declarações do deputado Rui Vieira. Que, além de deputado do PS, é produtor de vinho (condição que o artigo ignora, certamente por desconhecimento).

PS (2)- No ano passado, de entre os poucos mais de mil mortos nas estradas portuguesas, mais de 650 apresentavam uma taxa de alcoolemia superior à permitida pela lei.

||||| Escrito por dm :: 3:06 da tarde :: 0 Comentários